DE HOMEM NATURAL A HOMEM CIVIL: APERFEIÇOAMENTO E FORMAÇÃO

Wilson Alves de Paiva

Resumo


O artigo busca discutir o processo de aperfeiçoamento humano, concebido por Jean-Jacques Rousseau e suas implicações nos processos educacionais. Utilizando-se da metáfora de Glauco, Rousseau defende que a alma humana foi alterada no seio da sociedade e mudou de aparência ao ponto de se tornar irreconhecível. E nesse processo de afastamento da natureza e de desfiguração, o homem acabou por instrumentalizar a natureza e desfigurá-la conforme os propósitos de suas paixões. Nessa perspectiva, o Emílio aparece como uma tentativa audaciosa e apaixonada de discutir sobre um problema que não deixa de ter uma dimensão política, que é a formação humana, principalmente se considerarmos que toda reflexão que aparece nessa obra prefigura a tarefa de fazer do homem um ser autônomo e livre, devidamente preparado para opor-se ao estado de depravação ao qual a humanidade chegou, resistindo o máximo possível à influência das paixões, dos vícios e às falsas soluções que podem aparecer.

Texto completo:

PDF

Referências


ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Rio de Janeiro, Editora LCT, 1981.

CAMBI, Franco. História da Pedagogia. São Paulo: Edit. UNESP, 1999.

FRANCISCO, Maria de Fátima Simões. A primeira lição moral – o episódio das favas no Emílio de Rousseau. Cadernos de História e Filosofia da Educação. Vol. II, n. 4, p. 35-42, 1998.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 11ª. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1982.

GADOTTI, Moacir. História das idéias pedagógicas. São Paulo: Ática, 2002.

MILLET, Louis. La pensée de Rousseau. Paris : Bordas, 1966. (Col. Pour Connaitre la Pensée).

NASCIMENTO, Milton Meira do. O contrato social – entre a escala e o programa. Discurso, São Paulo, n. 17, pp. 119-129, 1988.

PAIVA, Wilson Alves de. A formação do homem no Emílio de Rousseau. Rev. Educação e Pesquisa. [online]. 2007, vol.33, n.2, pp. 323-333. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v33n2/a10v33n2.pdf.

______. Da reconfiguração do homem: um estudo da ação político-pedagógica na formação do homem em Jean-Jacques Rousseau. Tese de doutoramento. USP, 2010. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-30072010-141045/pt-br.php.

PLATÃO. A República. São Paulo: Nova Cultural, 2004. (Coleção Os Pensadores).

SALINAS FORTES, Rousseau: o bom selvagem. São Paulo: FTD, 1989. (Prazer em conhecer).

______. Paradoxo do espetáculo: política e poética em Rousseau. São Paulo: Discurso Editorial, 1997.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou da educação. São Paulo: DIFEL, 1973.

______. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. São Paulo: Nova Cultural, 1999a. (Coleção Os Pensadores – Rousseau 2).

______. Do contrato social. São Paulo: Nova Cultural, 1999b. (Coleção Os Pensadores – Rousseau 1).

______. Emile e Sophie ou os solitários. Edição bilíngue (francês e português). Trad. Dorothée de Bruchard. Porto Alegre: Editora Paraula, 1994.

SNYDERS, Georges. La pédagogie en France aux XVIIe et XVIIIe siècles. Paris : Presses Universitaires de France, 1965.

STAROBINSKI, Jean. Jean-Jacques Rousseau: a transparência e o obstáculo. Seguido de sete ensaios sobre Rousseau. Tradução Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.




DOI: http://dx.doi.org/10.15628/holos.2014.1638



 

HOLOS IN THE WORLD