INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA REOLOGIA DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO PREPARADOS COM CARBOXIMETILCELULOSE, GOMA XANTANA E BENTONITA

Klismeryane Costa de Melo, Tereza Neuma de Castro Dantas, Eduardo Lins de Barros Neto

Resumo


O comportamento reológico dos fluidos de perfuração pode sofrer alterações ao longo da perfuração em função do gradiente de temperatura do poço. A degradação térmica sofrida por alguns aditivos utilizados como viscosificantes restringe a utilização da classe dependendo da temperatura a qual será exposto. Este trabalho apresenta um estudo sobre o comportamento reológico da Goma Xantana (GX), da Carboximetilcelulose (CMC) e da Bentonita (BNT) em função da temperatura. Os Modelos matemáticos de Ostwald de Waale e o de Herschel-Bulkley foram aplicados para determinar os parâmetros reológicos. O efeito da hidratação dos polímeros e da argila na reologia de soluções aquosas foram previamente estudados. A caracterização reológica foi realizada através de ensaios de reologia, utilizando sistema de cilindros coaxiais, para obtenção das curvas de fluxo. A reologia foi avaliada em função da temperatura para cada um dos aditivos utilizados. Os resultados mostraram que a CMC se solubiliza rapidamente em água, porém apresenta maior degradação quando exposta a temperatura mais elevada. A GX se mostrou apta para ser utilizada em formulações de fluidos que serão usados em poços com gradiente de temperatura mais elevados. A bentonita não apresentou alterações no comportamento reológico em função do gradiente de temperatura estudado.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÙJO, T. A. et al. Avaliação do comportamento reológico dos diferentes meios de produção de goma xantana a partir do caldo de cana. 2005.

BOURGOYNE, A.T. JR.; MILLHEIM, K.K.; CHENEVERT, M.E.; YOUNG, F. S. J. Applied Drlling Engineering. International Journal of Rock Mechanics and Mining Sciences & Geomechanics Abstracts, v. 24, n. 4, p. 149, 1986.

DARLEY, H. C. H. e GRAY, G. R. Composition and Properties of Drilling and Completion Fluids. Fifty ed. [S.l: s.n.], 1988. p. 654

DIAZ, P. S. et al. Reologia de Xantana : uma Revisão sobre a Influência de Eletrólitos na Viscosidade de Soluções Aquosas de Gomas Xantana. Semina: Ciências Exatas e Tecnológicas, v. 25, n. 1, p. 15–28, 2004.

FÉLIX, T. de F. et al. DESENVOLVIMENTO DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO À BASE DE ÁGUA COM ALTA CAPACIDADE DE INIBIÇÃO E ALTA LUBRICIDADE. 4o PDPETRO, 2007.

LAKE, L. W. EDPETROLEUM ENGINEERING GENERAL ENGINEERING. Richardson,TX: PETROLEUM ENGINEERING HANDBOOK, 2006. v. Ip. 864

MACHADO, J. C. V. Reologia e Escoamento de Fluidos - Ênfase na Indústria do Petróleo. [S.l.]: Interciência, 2002a.

MACHADO, J. C. V. Fluido de Perfuração. [S.l.]: Progarma Trainer Petrobras- UM-BA/ST/EP, 2002b.

MORIYAMA, A. L. L. Avaliação do Envelhecimento Dinâmico nas Propriedades de Fluidos de Perfuração Base Água. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - UFRN - [S.l.]. 2010.

NASCIMENTO, R. A. de M. et al. Degradação térmica de fluidos de perfuração argilosos aditivados com polímeros e lubrificante Thermal degradation of clay drilling fluids with polymers and lubricant additives. Matéria, v. 18, n. 2, p. 1329–1339, 2013.

ROSSI, S.;; LUCKHAM, P. . e TADROS, T. . Influence of non-ionic polymers on the rheological behaviour of Na+-montmorillonite clay suspensions—I Nonylphenol–polypropylene oxide–polyethylene oxide copolymers. Colloids and Surfaces A: Physicochemical and Engineering Aspects, v. 201, n. 1-3, p. 85–100, doi:10.1016/S0927-7757(01)00792-0, 2002.

SILVA, T. H. C. Da. Bentonita. Disponível em: . Acesso em: 13 out. 2012.

THOMAS, J. E. Fundamentos de engenharia de petróleo. 2o. ed. Rio de Janeioro-RJ: INTERFERÊNCIA, 2001. p. 271




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2013.1631



 

HOLOS IN THE WORLD