Estrutura da comunidade de artrópodes de solo em diferentes fitofisionomias da Reserva Particular do Patrimônio Natural – Sesc Pantanal, Brasil

Jessica Rhaiza Mudrek, Edson Viana Massoli Junior

Resumo


As teias alimentares presentes na serrapilheira são de extrema importância para que haja a ciclagem dos nutrientes presentes no solo. A fauna de artrópodes de solo vem sendo estudada no Pantanal matogrossense para que ocorra identificação dos grupos, bem como sua riqueza e distribuição. O objetivo deste trabalho foi analisar a comunidade de artrópodes em duas fitofisionomias do Pantanal, além de verificar a relação da abundância e/ou riqueza da fauna com a altura da serrapilheira. O estudo foi realizado em Abril de 2012, na RPPN Sesc Pantanal, no município de Poconé, Mato Grosso, Brasil. Foram instaladas dez armadilhas de queda (pitfalls) dentro de duas parcelas de 50x50 m, com fitofisionomias distintas, Cerrado sensu stricto e Floresta semidecidual. A serrapilheira foi mensurada por meio de fita métrica (raio de 30cm). O material foi encaminhado ao laboratório de zoologia, triados e identificados. Para realização da análise de variância e correlação dos artrópodes com serrapilheira foi utilizado o programa Systat 10. Houve diferença significativa na riqueza entre as duas fitofisionomias, por sua vez para a abundância não foi significativa. Não houve correlação entre a altura de serrapilheira e a riqueza/abundância de artrópodes. As ordens mais abundantes corroboram com outros trabalhados, porém seriam necessárias amostragens mais longas para uma lista mais completa das ordens identificadas.

Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO, L. E.; AGOSTI, D. Biodiversity studies, monitoring, and ants: an overview. In: AGOSTI, D.; MAJER, J. D.; ALONSO, L. E.; SCHULTZ, T. R. Standard methods for measuring and monitoring biodiversity. Smithsonian Institution: Washington, p. 1-8, 2000,

BATTIROLA, L. D.; ADIS, J.; MARQUES, M. I.; SILVA, F. H. O. Comunidade de Artrópodes Associada à Copa de Attalea phalerata Mart. (Arecaceae) durante o Período de Cheia no Pantanal de Poconé, MT. Neotropical Entomology, n. 36, v. 5, p. 640-651, 2007.

BRUSCA, R. C.; BRUSCA, G. J. Invertebrados. ed 2. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2007, 968 p.

BUZZI. Z. J. Ordem Collembola, Cap. 4. Entomologia Didática. Paraná, Editora UFPR, 2002, 343 p.

CORREIA, M. E. F.; OLIVEIRA, L.C.M. de. Fauna de Solo: Aspectos Gerais e Metodológicos. Seropédica: Embrapa Agrobiologia, 2000, 46 p.

FANTIN-CRUZ, I.; GIRARD, P.; ZEILHOFER, P.; COLLISCHONN, W.; NUNES DA CUNHA, C. Unidades fitofisionômicas em mesoescala no Pantanal Norte e suas relações com a geomorfologia. Biota Neotropica, n. 10, v. 2, p. 31-38, 2010.

FEITOSA, M. C. B.; QUERINO, R. B.; HENRIQUES A. L. Perfil da fauna de vespas parasitóides (Insecta: Hymenoptera) em Reserva Florestal na Amazônia, Amazonas, Brasil. Entomotropica, n. 1, v. 22, p. 37-43, 2007.

FELFILI, J. M.; CARVALHO, F. A.; HAIDAR, R. F. Manual para o monitoramento de parcelas permanentes nos biomas Cerrado e Pantanal. Brasília: Universidade de Brasília, Departamento de Engenharia Florestal, 2005, 60 p.

FERREIRA, R. L.; MARQUES, M. G. S. M. A fauna de artrópodes de serrapilheira de áreas de monocultura cf. Eucalyptus sp. e Mata Secundária Heterogênea. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil. n. 27, v. 3, p. 395-403, 1998.

JUNK, W. J.; BAYLEY, P. B.; SPARKS, R. E. The flood pulse concept in river- floodplain systems. In: DODGE, D. P. (ed.). Proceedings of the International Large River Symposium. Canadian Special Publication of Fisheries and Aquatic Science, Ottawa, p. 110–127, 1989.

KLINK, C. A.; MACHADO, R. B. A conservação do cerrado brasileiro. Megadiversidade, Brasília, n. 1, v. 1, 2005, 155 p.

MARQUES, M. I.; SOUZA, W. O.; SANTOS, G. B.; BATTIROLA, L. D.; ANJOS, K. C. Fauna de artrópodes de solo. In: FERNANDES, I. (org.). Biodiversidade no Pantanal de Poconé. Manaus: Instituto de Pesquisas Ecológicas, p. 73–102, 2010.

MARQUES, M. I.; ADIS, J.; BATTIROLA, Leandro D.; SANTOS, G. B.; CASTILHO, A. C. C. Arthropods associated witch a Forest of Attalea phalerata Mart. (Arecacear palm trees in the Northern Pantanal. In: JUNK, W. J. (org.) The Pantanal: Ecology, biodiversity and sustainable management of a large neotropica lseasonal wetland. Pensoft: Bulgária, p. 431–468, 2011.

NUNES DA CUNHA, C.; JUNK, W. J. A preliminary classification of habitats of the Pantanal of Mato Grosso and Mato Grosso do Sul, and its relation to national and international wetland classification system. In: JUNK, W. J. (org.) The Pantanal: Ecology, biodiversity and sustainable management of a large neotropica lseasonal wetland. Pensoft: Bulgária, p. 127–141, 2011.

PRAXEDES, C.; MARTINS, M. B.; FURTADO, I.; AZEVEDO, M.; BASANTE, F. Estimativa da diversidade da fauna de serrapilheira em uma floresta densa de terra firme, Caxiuanã, Município de Melgaço – PA – Brasil. Estação Científica Ferreira Penna. Amazônia, p. 7-9, 2009.

RIBAS, C. R.; SCHOEREDER, J. H.; PIC, M.; SOARES, S. M. Tree heterogeneity, resource availability, and larger scale processes regulating ant species richness. Austral Ecology, n. 28, p. 305-314, 2003.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. Fitofisionomias do bioma Cerrado: os biomas do Brasil. In: Cerrado: ambiente e flora. EMBRAPA: Planaltina, p.86-116, 1998.

SIGNOR, C. A.; FERNANDES, I. M.; PENHA, J. M. F. O Pantanal e o Sistema de Pesquisa. In: FERNANDES, I. (org.). Biodiversidade no Pantanal de Poconé. Manaus: Instituto de Pesquisas Ecológicas, 2010, 195 p.

VIANA, D. R.; ALVALÁ, R. C. dos Santos. Vegetation index performance for the Pantanal region during both dry and rainy seasons. Geografia, Rio Claro, v. 36, p. 143-158. 2011.

XIONG, S. J.; NILSSON, C. The effects of plant litter on vegetation: a meta-analysis. Journal of Ecology, n. 87, p. 984–94, 1999.

ZARDO, D. C.; CARNEIRO, A. P.; LIMA, L. G.; SANTOS-FILHO, M. Comunidade de artrópodes associada a serrapilheira de cerrado e mata de galeria, na Estação Ecológica Serra das Araras – Mato Grosso, Brasil. Uniara, n.2, v.13, p. 105-113, 2010.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2014.1622



 

HOLOS IN THE WORLD