GESTÃO HÍDRICA A PARTIR DE CISTERNAS DE PLACAS: AVALIAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA EFICIÊNCIA DO P1MC NO MUNICÍPIO DE PEDRA LAVRADA-PB

José Adailton Silva

Resumo


Atualmente, muitas populações rurais do Semiárido brasileiro têm convivido com árduas realidades em virtude da carência de água. Diante disto, as cisternas de placas surgem como mecanismo para prover o acesso e disponibilidade de água. Neste sentido, a Articulação do Semiárido (ASA) elaborou o “Programa Um Milhão de Cisternas Rurais – P1MC”, o qual busca prover o gerenciamento e a valorização da água para a “convivência sustentável” com a escassez de água no Semiárido brasileiro. Conhecendo-se as premissas do P1MC, o presente estudo objetivou analisar a eficiência das cisternas de placas e o desempenho do P1MC para com a disponibilidade de água, e a melhoria da qualidade de vida das famílias que convivem com a escassez hídrica. Para tanto, foram realizados: i) estudos sobre a pluviometria (série de 61 anos de precipitação pluvial); ii) estimativa do Volume Potencial de Captação (VPC) dos telhados residenciais e das cisternas; e iii) aplicação de questionários semiestruturados a 40 famílias beneficiadas pelo P1MC, no município de Pedra Lavrada – PB. Como resultados, concluiu-se que: 1) as cisternas de placa é uma tecnologia eficiente e capaz de suprir as necessidades hídricas durante o período de estiagem (8 meses); 2) o P1MC apresentou pontos negativos: ausência de fiscalização das cisternas com problemas (rachaduras e vazamentos), e a impossibilidade de atender aos anseios familiares (dessedentação animal ou cultivo de pequenas lavouras); e 3) o P1MC promoveu o acesso/disponibilidade de água, e “independência hídrica”, promovendo assim a sustentabilidade das famílias rurais em meio às adversidades edafoclimáticas do Semiárido brasileiro.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, H. A. & SILVA, L. Estimativa para captação de água de chuva no Brejo Paraibano. Anais eletrônicos. In: Simpósio Brasileiro de Captação de Água de Chuva no Semiárido, Campina Grande – PB, 2001, CD-ROM, 2001.

ANDRADE-LIMA, D. The caatinga dominium. Revista Brasileira de Botânica, 4:149-153, 1981.

ARTICULAÇÃO DO SEMIÁRIDO-ASA. Programa de Formação e Mobilização Social para a Convivência com o Semiárido: Um Milhão de Cisternas Rurais. Anexo II do Acordo de Cooperação Técnica e Financeira FEBRABAN e AP1MC, 2003.

ASSIS, F. N.; ARRUDA, H. V. PEREIRA, A. R.. Aplicações de Estatística à Climatologia: Teoria e prática. Pelotas, RS: UFPEL, 1996.

BARBETTA, P. A. Estatística aplicada às ciências sociais. 4. ed. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2002.

BARBOSA, A. G (2005). Articulação no Semiárido brasileiro – ASA, ajudando a construir uma história de convivência a partir da captação e manejo da água de chuva. In: Simpósio Brasileiro de Captação e Manejo de Água de Chuva: Captação e Manejo de Água de Chuva para Sustentabilidade de Áreas Rurais e Urbanas – Tecnologias e Construção da Cidadania, Teresina – PI: ABCMAC, 2005, CD-ROM.

BRASIL. Governo Federal . Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Recursos Hídricos – SRH. Plano Nacional de Recursos Hídricos. Brasília, 2005.

CÂNDIDO, G. A.; VASCONCELOS, A. C. F.; SOUZA, E. G. Índice de Desenvolvimento Sustentável para Municípios: Uma proposta de metodologia com a participação de atores sociais e institucionais. In: CÂNDIDO, G. A. (org.). Desenvolvimento sustentável e sistemas de indicadores de sustentabilidade: Formas de aplicações em contextos geográficos diversos e contingências especiais. 1 ed. Campina Grande: Editora Universitária da UFCG, 2010.

FOME ZERO – Sociedade Brasileira em Apoio ao Programa Fome Zero, 2005. Cisternas impulsionam transformações socioeconômicas no Semiárido brasileiro. Disponível em: . Acesso em: 19 maio 2012.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades – 2010. Disponível em: . Acesso em: 29 fev. 2012.

MMA – Ministério de Meio Ambiente. Agência Nacional de Águas. Superintendência de Conservação de Água e Solo. Superintendência de Usos Múltiplos. Cadernos de Recursos Hídricos. Disponibilidades e Demandas dos Recursos Hídricos no Brasil, 2005.

OLIVEIRA, G. C. S. NÓBREGA, R. S. ALMEIDA, H. A . Perfil socioambiental e estimativa do potencial para captação de água de chuva em Catolé de Casinhas, PE. Revista de Geografia, Universidade Federal do Pernambuco. v. 29, n. 1., 2012.

PEDROSA, A. de S. Avaliação da contribuição do Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semiárido: Um Milhão de Cisternas Rurais (P1MC) na Qualidade de Vida da População Rural do Município de Soledade – PB. In: Simpósio Brasileiro de Captação de Água de Chuva no Semiárido, Campina Grande – PB, 2011, CD-ROM.

SAMPAIO, Everaldo V. S. B. et. al. Desertificação no Brasil: conceitos, núcleos e tecnologias de recuperação e convivência. Recife, URPE, 2003.

SILVA, C. V. Qualidade da água de chuva para consumo humano armazenada em cisternas de placa: Estudo de caso, Araçuaí – MG. In: Simpósio Brasileiro de Captação e Manejo de Água de Chuva: Captação e Manejo de Água de Chuva, Belo Horizonte, 2007, CD-ROM.

SILVA, F. B. R.; Riche, G. R.; Tonneauj. J. P. et al.. Zoneamento Agroecológico do Nordeste: Diagnóstico do quadro natural e agrossocioeconômico. Petrolina: EMBRAPA-CPATSA/Recife: EMBRAPA-CNPS/Coordenadoria Regional Nordeste, 1993.

THIOLLENT, M. (2005). Metodologia da pesquisa ação. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2005.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2014.1541



 

HOLOS IN THE WORLD