PERCEPÇÃO DE STAKEHOLDERS ACERCA DA CONTRIBUIÇÃO DAS ESTRATÉGIAS AMBIENTAIS PARA A SUSTENTABILIDADE DO MUNICÍPIO E COMPETITIVIDADE DA EMPRESA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DO SETOR SUCROALCOOLEIRO NO ESTADO DA PARAÍBA

Maria de Fátima Nóbrega Barbosa, Gesinaldo Ataíde Cândido, Erivaldo Moreira Barbosa

Resumo


Este artigo faz parte de um estudo maior no qual se procurou entender como uma estratégia ambiental pode contribuir para a competitividade da empresa e para a sustentabilidade do município em que a mesma desenvolve a atividade empresarial. Para entender de forma alargada essas relações, partindo do pressuposto que os stakeholders são importantes para o sucesso da empresa no longo prazo, este artigo tem por objetivo compreender a contribuição de alguns stakeholders nas estratégias ambientais para a sustentabilidade do município e competitividade de empresa do setor sucroalcooleiro no estado da Paraíba. A pesquisa foi realizada por meio de um estudo de caso em que foram entrevistados stakeholders que poderiam contribuir de alguma forma para entender as relações entre as variáveis da pesquisa. Constatou-se que os stakeholders percebem de forma diferenciada a contribuição da estratégia ambiental para a sustentabilidade do município e competitividade da empresa. As conclusões do estudo apontam que a interação da empresa com stakeholders que impactam em suas atividades possibilitará um fluxo de informações contínuo que poderá contribuir para uma estratégia ambiental inserida no contexto das demandas desses atores sociais com possibilidades de ganhos para o binômio competitividade/sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTKINSON, Anthony A.; WATERHOUSE, John.A stakeholders approach to strategic performance measurement.Sloan Management Review, v.38, n.3, p. 25-36, spring 1997.

ANDREWS, Kenneth. The concept of corporate strategy. In: QUINN, J. B. ; MINTZBERG, H. & JAMES, R. M. The strategy process: concepts, contex and cases. Englewoodcliffs, New Jersey: Prentece Hall, 1998. cap. 1, p. 1 - 17.

BARBOSA, Maria de Fátima Nóbrega. Práticas ambientais, competitividade e sustentabilidade: um estudo exploratório em empresa do setor sucrolacooleiro no município de Pedras de Fogo – PB. 2010. 261f. Tese (Doutorado em Recursos Naturais) - Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande/PB, 2010.

BOSSEL, Hartmut. Earth at a crossroads: paths to a sustainable future. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

BROWN, Lester Russel. Eco-Economia: construindo uma economia para a terra. Salvador: UMA, 2003.

CAPRA, Fritjof. O ponto de mutação. Tradução de: Álvaro Cabral. São Paulo: Cultrix, 1982.

DEL RIO, Vicente; OLIVEIRA, Lívia de (Orgs.). Percepção ambiental: a experiência brasileira. São Carlos, SP: Editora da UFSCar, 1999.

DONALDSON, Thomas; PRESTON, Lee. The stakeholder theory of the corporation: concepts, evidence and implications. Academy of Management Review., v. 20, p. 65-91, jan, 1995.

EGRI, Carolyn P.; PINFIELD, Laerence, T. As Organizações e a Biosfera: ecologia e meioambiente. In: CLEGG, Stewart, R.; HARDY, Cynthia; NORD, Walter R. (Org.) Handbook de estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 2007. cap. 14, p. 361-397.

FAGGIONATO, Sandra. Percepção ambiental. Disponível em < http://educar.sc.usp. br/biologia/textos/m_a_txt4.html>. Acesso em 10 de maio de 2013.

FARINA, Elizabeth Maria Mercier Querido. Competitividade e coordenação de sistemas agroindustriais: um ensaio conceitual. Gestão&Produção, v. 6, n. 3, p. 147-161, 1999.

FERRARA, Lucrecia D’Alessio. Olhar periférico: informação, linguagem e percepção ambiental. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: 1993.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio século XXI: dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

FREEMAN, Edward R. Strategic Management: a stakeholder approach. London: Pitman Publishing, 1984.

HAMEL, Gary. Strategy as revolution. Harvard Business Review. Jul./Aug. 1996.

HARDI, Peter.; ZDAN, Terrence. J. Assessing sustainable development: principles in practice. Winnipeg: IISD, 1997.

HENDERSON, Bruce. The origin of strategy.Harvard Business Review. Nov./Dec. 1989.

JONES, Thomas M. Instrumental stakeholders theory: a synthesis of the ethics and economics. Academyof Management Review.,v. 20, p. 404-437, jan, 1995.

KEY, John. Fundamentos do sucesso empresarial: como as estratégias de negócios agregam valor. Rio de Janeiro: Campus, 1996.

LEFF, Enrique. Epistemologia ambiental. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

MARTINS, Maria de Fátima; CÂNDIDO, Gesinaldo Ataíde. Ìndice de Desenvolvimento Sustentável para Municípios (IDSM): metodologia para cálculo e análise do IDSM e classificação dos níveis de sustentabilidade para espaços geográficos. João Pessoa: SEBRAE, 2008.

METCALFE, Chris E. The Stakeholder Corporation.Business Ethics, v. 7, n.1, Jan. 1998.

MINTZBERG, Henry; LAMPEL, Joseph; AHLSTRAND, Bruce. Todas as partes do elefante. In: JÚLIO, Carlos Alberto; SALIBI NETO, José. Estratégia e planejamento: autores e conceitos imprescindíveis. São Paulo: Publifolha, 2002. cap. 1, p. 8-20.

MITCHELL, Ronald.; AGLE, Bradley.; WOOD, Donna. “Toward a theory of stakeholder identification and salience: defining the principle of who and what really counts”. Academy of Management Review, v. 22, n. 4, p. 853-858.

MOORE, Geoff. Tinged shareholders theory: or what’s so special about stakeholders? Business Ethics: A European Review, v.8, n. 2, 1999.

NILSSON, W. R. Services instead of products: experiences from energy markets – examples from Sweden. In: MEYER – KRAHMER, F. (Ed.). Innovation and sustainable development: lessons for innovation policies. Heidelberg: Physica – Verlag, 1998. p. 115-141.

PORTER, M. What is strategy? Harvard Business Review. nov./dec. 1996.

QUINN, J. B. Strategy for change. In: QUINN, J. B. ; MINTZBERG, H.; JAMES, R. M. The strategy process: concepts, context and cases. Englewood Cliffs, New Jersey: Prentice Hall, 1998. 998 p.

RIBEIRO, L.M. O papel das representações sociais na educação ambiental. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro/RJ, 2003.

RUTHERFORD, Ian. Use of models to link indicators of sustainable development. In: MOLDAN, B.; BILHARZ, S. Sustainability indicators: report of the project on indicators of sustainable development. Chichester: John Wiley& Sons Ltd, 1997. p. 47-54.

SACHS, Ignacy. Desenvolvimento sustentável, bio-industrialização descentralizada e novas configurações rural-urbanas: os casos da Índia e do Brasil. In: VIEIRA, Paulo Freire e WEBER, Jacques (Orgs.). Gestão de recursos naturais renováveis e desevolvimento: novos desafios para a pesquisa ambiental. São Paulo: Cortez, 1997. cap. 15, p. 469–494.

SHANKMAN, Neil A. Reframing the debate between agency and stakeholders theories of the firm. Journalof Business Ethics, v. 21, n. 4, 1999.

SILVA, Carlos Arthur B. da; BATALHA, Mário Otávio. Competitividade em sistemas agroindustriais: metodologia e estudo de caso. In: 2. WORKSHOP BRASILEIRO DE GESTÃO DE SISTEMAS AGROALIMENTARES. Ribeirão Preto: PENSA/FEA/USP, 1999.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

VASCONCELOS, Maria José Esteves de. Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. 3. ed. Campinas: Papirus, 2002.

VIEIRA, Paulo Freire. Ecodesenvolvimento: do conceito à ação. In: SACHS, Ignacy. Rumo à ecossocioeconomia: teoria e prática do desenvolvimento. São Paulo: Cortez, 2007. p. 10-31

WHETTEN, David. “What constitutes a theoretical contribution?”Academy of Management Review, v. 14, n. 1, p 490-495.

YIN, Robert K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2014.1181



 

HOLOS IN THE WORLD