COMPORTAMENTO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS OBSERVADOS EM CLUSTER: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA CALÇADISTA

Rosnaldo Inácio da Silva, Filipe Felhberg Hermann, Miguel Afonso Sellitto, Giancarlo Medeiros Pereira, Miriam Borchardt

Resumo


A literatura aponta diferentes modelos de arranjos produtivos segundo sua complexidade, incluindo cadeias de suprimentos, redes de cooperação, cadeias produtivas, arranjos produtivos locais, até os clusters. O objetivo deste artigo foi apresentar um caso em um cluster no qual foram observados comportamentos comumente relatados na literatura sobre cadeia de suprimentos. Tal comportamento tem surgido em um ambiente típico de cluster, que mescla competição e colaboração (a coopetição). Foram estudados os relacionamentos que se estabeleceram entre uma empresa líder no cluster, que passou a assumir papel semelhante ao de empresa focal em cadeia de suprimentos, e alguns de seus fornecedores, que assumiram atitudes cooperativas tal como observado em operações de fornecimento de matérias-primas em cadeias de suprimento.

Texto completo:

PDF

Referências


ABICALÇADOS – Associação Brasileira das Indústrias de Calçados. Resenha Estatística de 2009. Novo Hamburgo, 2009. Disponível em: www.abicalcados.com.br ; http://www.abicalcados.com.br/estatisticas.html. Acesso em maio de 2011.

AKOORIE, M.; DING, Q. Global competitiveness in the Datang hosiery cluster, Zhejiang, Chinese Management Studies, v.3 n. 2, 2009. p 102-116.

ARNOLD, J. Administração de materiais. S. Paulo: Atlas, 1999.

ASSINTECAL – Associação Brasileira de Indústrias de Componentes Para Couro e Calçados. Informações Setoriais 2011. Novo Hamburgo. Disponível em: www.assintecal.org.br, http://ww3.assintecal.org.br/realizar/informacoes_setoriais/detalhe/8/iapc acesso em maio de 2012.

BALLOU, R. New Managerial Challenges from Supply Chain Opportunities. Industrial Marketing Management, v.29, n.1, p.7–18, 2000.

CARTER, C., EASTON, P. Sustainable supply chain management: evolution and future directions. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, v.41, n.1, p.46-62, 2011.

CHIOCHETTA, J.; HATAKEYAMA, K. Implementação de um APL – arranjo produtivo local – o caso do setor metal mecânico da região sudoeste do estado do Paraná. Produção Online, v.7, n.1, p.58-70, 2007.

CROCCO, M.; SANTOS, F.; SIMÕES, R.; HORÁCIO, F. Industrialização descentralizada: sistemas industriais locais. O arranjo produtivo calçadista de Nova Serrana (MG). Parcerias Estratégicas, v.17, n.1, p.3-80, 2003.

EISENHARDT, K. Building theories from case study research. Academy of Management Review, v.14, n.4, p.532-550, 1989.

GILBERT, B.; MCDOUGALL, P.; AUDRETSCH, D. Clusters, knowledge spillovers and new venture performance: an empirical examination. Journal of Business Venturing, v.23, n.4, p.405-22, 2008.

HALLDORSSON, A.; KOTZAB, H.; MIKKOLA, J.; SKJØTT-LARSEN, T. Complementary theories to supply chain management. Supply Chain Management: An International Journal, v.12, n.4, p.284–296, 2007.

HAVE, S.; HAVE, W.; STEVENS, F; ELST, M. Modelos de Gestão: O que são e quando devem ser usados. São Paulo: Prentice Hall, 2003.

LAM, J.; POSTLE, R. Textile and apparel supply chain management in Hong Kong. International Journal of Clothing Science and Technology, v.18, n.4, p.265-277, 2006.

LAMBERT, D.; COOPER, M. PAGH, J. Supply Chain Management: Implementation issues and research opportunities. The International Journal of logistics Management. v.9, n.2, p.1-20, 1998.

LUMMUS, R.; VOKURKA, R. Defining supply chain management: a historical perspective and practical guidelines. Industrial Management & Data Systems, v.99, n.1, p.11-17, 1999.

MARKUSEN, A. Sticky places in slippery space: a typology of industrial districts, Economic Geography, v.72, n.3, p.293-313, 1996.

MATTHYSSENS, P.; VANDENBEMPT, K. Cognition-in-context: reorienting research in business market strategy. Journal of Business & Industrial Marketing, v.18, n.6/7, p.595-606, 2003.

MEHRJERDI, Y. Excellent supply chain management, Assembly Automation, v.29, n.1, p. 52–60, 2009.

MENEZES, T.; GUIMARÃES, M.; SELLITTO, M. Medição de indicadores logísticos em duas operações de montagem abastecidas por cadeias de suprimentos. Produção Online, Vol. 8, n.1, p.1-23, 2008.

MENTZER, J.; DEWITT, W.; KEEBLER, J.; MIN, S.; NIX, N.; SMITH, C.; ZACHARIA, Z. Defining supply chain management, Journal of Business Logistics, v.22, n.2, p.1-25, 2001.

NIU, K. Industrial cluster involvement and organizational adaptation. Competitiveness Review: An International Business Journal, v.20, n.5, p.395-406, 2010.

PIRES, S. Gestão da cadeia de suprimentos (supply-chain management): conceitos, estratégias, práticas e casos. São Paulo: Atlas, 2004.

PORTER, M. Clusters and the new economics of competition. Harvard Business Review, November-December, p.77-90, 1998 (reprint number).

RUNGTUSANATHAM, M.; SALVADOR, F.; FORZA, C.; CHOI, T. Supply-chain linkages and operational performance: A resource-based-view perspective. International Journal of Operations & Production Management, v.23, n.9, p.1084-1099, 2003.

SELLITTO, M. Medição e controle de desempenho estratégico em sistemas de manufatura. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção). Escola de Engenharia, UFRGS, Porto Alegre, 2005.

SELLITTO, M.; BORCHARDT, M.; PEREIRA, G.; PACHECO, D. Gestão de cadeias de suprimentos verdes: quadro de trabalho e direção para futura pesquisa. Produção Online (aguarda publicação).

SOON, Q.; UDIN, Z. Supply chain management from the perspective of value chain flexibility: an exploratory study. Journal of Manufacturing Technology Management, v.22, n.4, p. 506-526, 2010.

WILK; E.; FENSTERSEIFER; J. Use of resource-based view in industrial cluster strategic analysis. International Journal of Operations & Prodution Management, v.23, n.9, p.995-1010, 2003.

YIN, R. Estudo de caso: planejamento e método. Porto Alegre: Bookmann, 2005.

ZELBST, P.; FRANZIER, G.; SÖWER, V. A cluster concentration typology for making location decisions. Industrial Management & Data Systems, v.110, n.6, p.883-907, 2010.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2013.1147



 

HOLOS IN THE WORLD