O PAPEL DAS ACELERADORAS NA CONSOLIDAÇÃO DE NOVAS EMPRESAS DE CULTURA EMPREENDEDORA A LUZ DA METODOLOGIA LEAN STARTUP

Marcela Regina Climaco Sarmento, Lúcia de Fátima Lúcio Gomes da Costa

Resumo


O presente estudo se propõe a analisar o papel das aceleradoras na consolidação de novas empresas de cultura empreendedora a luz da metodologia Lean Startup. Para tal foi realizada uma pesquisa qualitativa de tipo exploratória, descritiva e explicativa, utilizando como estratégia de pesquisa o estudo de caso. A coleta de dados consistiu em uma entrevista semiestruturada com a aceleradora de negócios 85 Labs com o intuito de verificar a aplicabilidade da metodologia lean startup na orientação e assessoria de novos empreendimentos. A pesquisa descreve ainda como se dá o ciclo de aceleração e a relação entre as startups e a aceleradora observando as dificuldades desse processo e os benefícios desse relacionamento. Os resultados obtidos foram satisfatórios à medida que constataram que as aceleradoras de negócios exercem um papel decisivo no desenvolvimento e consolidação de novas empresas de cultura empreendedora, visto que o processo de aceleração direciona e capacita as startups principalmente nas primeiras etapas do negócio, onde os riscos são consideravelmente maiores. Além disso, durante a análise ficou evidente a contribuição da metodologia lean startup em todas as fases do ciclo de aceleração, o que permitiu afirmar sua capacidade em conduzir processos estruturados de aceleração em negócios com eficácia em caso real.

Palavras-chave


Lean startup, aceleradora de negócios, startups, empreendedorismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE STARTUPS. O que é uma startup. São Paulo, 2015. Disponível em:

. Acesso em: 3 dez. 2015.

BARBIERI, José Carlos. Os inventores no Brasil: Tipos e modalidade de incentivos. Revista de Administração de Empresas, São Paulo: v. 39, n.2, p. 54-63, abr/jun. 1999.

BARREHAG, Lisa et al. Accelerating Success: A Study of Seed Accelerators and Their Defining Characteristics. 2012. Tese (Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial) - Chalmers University of Technology, Gotemburgo, Suécia, 2012.

BLANK, S; DORF, B. The Startup Owner’s Manual. Ed. Alta Books, 2012.

BLANK, S. Why the lean start-up changes everything. Harvard business Review, Canadá: mai. 2013. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2014.

_______________. The Four Steps to Epiphany. Ed. Évora, 2012.

CASEMIRO, P; W. de PAULA; O. SIENA; C. ANDRÉ. Orientação Empreendedora e Aceleração de Negócios: Fatores, Processos e A Consolidação de Negócios Digitais. In: ENCONTRO DE ESTUDOS SOBRE EMPREENDEDORISMO E GESTÃO DE PEQUENAS EMPRESAS, 8., Anais. Goiania: mar. 2014.

CESAR, Ana Maria. Método do Estudo de Caso (Case Studies) ou Método do Caso (Teaching Cases)? Uma análise dos dois métodos no Ensino e Pesquisa em Administração. 2010. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2014.

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO. Mentoring. São Paulo, 2015. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2014.

DORNELAS. Empreendedorismo: Transformando ideias em negócios. 2. ed. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

DRUCKER, P. F. Inovação e Espírito Empreendedor: Prática e princípios. Ed. Thomson Pioneira. São Paulo, 2002.

FISHBACK, B. et al. Finding Business “Idols”: A New Model to Accelerate Start-Ups. Ewing Marion Kauffman Foundation. Kansas, 2007. Disponível em:

. Acesso em: 2 dez. 2014.

GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GITAHY, Yuri. Por que você deve pivotar sua startup, 2016.Disponível em: . Acesso em: 3 dez. 2014.

Global Entrepreneurship Monitor – GEM. London, 2013. Disponível em: . Acesso em: 3 dez. 2014.

GUSTAFSSON, A.; QVILLBERG, J. Implementing lean startup methodology –

an evaluation. Dissertação. Chalmers University of Technology. Suécia, 2012. Disponível em: <>. Acesso em: 3 dez. 2015.

HILL, Napoleon; POWERS, Melvin. Think and Grow Rich. Ed. Wilshire Book Co, 1999.

KOTLER, P. Marketing. 3 ed. São Paulo: Editora Atlas, 1986.

LAKATOS, Maria Eva; MARCONI, Maria de Andrade. Metodologia do trabalho científico. 4 ed. São Paulo: Revista Ampliada, Atlas, 1992.

Manifesto Ágil. 2011. Disponível em: . Acesso em: 3 dez. 2014.

MAURYA, Ash. Running Lean: Iterate from Plan A to a Plan That Works. ed. O'Reilly Media, Inc. 2012.

MILLER, P; BOUND, K. The Startup Factories: The rise of accelerator programmes to support new technology ventures. London: Nesta, 2011.

MUSSAK, Eugênio. Uma boa idéia não é tudo. São Paulo, 2012. Disponível em: . Acesso em: 3 dez. 2014.

NIGRI, R. M. ; MONTEIRO, P. V. C. Estudo de caso da aplicação do Customer Development a uma startup digital de educação. Monografia (Graduação em Engenharia de Produção) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: . Acesso em: 3 dez. 2014.

OSTERWALDER, A.; PIGNEUR, Y.; Business Model Generation: A Handbook for Visionaries, Game Changers, and Challengers. Toronto: Self Published, 2010

PATEL, Neil. 9 Metrics to Help You Make Wise Decisions About Your Start-Up. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2014.

RIES, Eric. A startup enxuta: Como os Empreendedores Atuais Utilizam a Inovação Contínua para Criar Empresas Extremamente Bem-sucedidas. São Paulo: Lua de Papel, 2012.

RIBEIRO, Elisa Antônia. A perspectiva da entrevista na investigação qualitativa. Evidência: olhares e pesquisa em saberes educacionais. Minas Gerais: Fundação Cultural de Araxá, v.4, n.4, 129-148. 2008.

RIVOLI, P. As viagens de uma T-Shirt no mercado global. Lisboa: Editorial Presença, 2005.

SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2007

TORALLES, P. Rodrigo, DULTRA, P. M. Marcelo. A relevância do desenvolvimento do cliente para o desenvolvimento de produtos inovadores. SEPA, Salvador: UNIFACS, V.13, P.334-350. 2014. Disponível em: . Acesso em: 3 dez. 2014.

VICTORAZZO, Ville et al. Análise da escalabilidade em novos negócios. Revista FATEC, Sebrae em Debate, São Paulo: FATEC, Sebrae, v.1, n.1, p129-148. 2014. Disponível em: . Acesso em: 3 dez. 2014.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento de métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005.




DOI: https://doi.org/10.15628/empiricabr.2016.4437



Locations of visitors to this page